15 de dez de 2010

Acre registra o maior percentual de roubos e furtos do país diz IBGE

Mais da metade das vítimas não procuram a polícia


Os dados da pesquisa "Características da Vitimização e do Acesso à Justiça no Brasil" mostram que mais da metade dos crimes de roubo não são registrados na polícia. A justificativa mais citada pelos entrevistados para não procurar delegacias é a falta de confiança na polícia, seguida pela percepção de que não era importante recorrer à polícia.

Os resultados, divulgados nesta quarta-feira pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), mostram que apenas 48,4% das vítimas de roubo e 37,7% das vítimas de furto recorrem à polícia. E mesmo entre os que procuram auxílio policial, cerca de 10% não chegam a registrar queixa.

Entre as vítimas de furto, as razões mais citadas para não procurar a polícia foram a falta de provas e o sentimento de não considerar importante procurar a polícia.

A pesquisa mostra que quase metade da população brasileira (47,2%) não se sente segura na cidade onde vive. Entre as vítimas de roubo ou furto no período de um ano antes da pesquisa, esse percentual sobe para 70,4%. De modo geral, os resultados indicam que a preocupação com a segurança é mais frequente em áreas urbanas do que nas áreas rurais.

Entre os Estados, o Acre registra o maior percentual de roubos ou furtos, com 12,8%, seguido pelo Amapá, com 12%. De outro lado, Rio de Janeiro e Santa Catarina apresentam os percentuais mais baixos de roubos e furtos, de 6,1% e de 5,5%, respectivamente. Em São Paulo, o percentual de roubos e furtos foi de 7,1%.

Os itens mais procurados pelos ladrões são telefones celulares, dinheiro, cartão de crédito ou débito e cheques.

Com informações da folha.com e do IBGE