4 de set de 2009

POR UM FIO...

Inspirou ontem dia 03 o prazo dado pelo Movimento Popular Pró-Emancipação da Ponta do Abunã, ao presidente do TSE, que pede a realização de um plebiscito naquela vila localizada na BR 364 que eles pretendem fechar a qualquer momento.

O pior é que eles também ameaçam pôr abaixo uma das torres do linhão de energia que abastece Acre de Rondônia.

O que foi que nós acreanos fizemos pelo amor de Deus? A briga não é com nosso vizinho estado RO? Não merecemos isso.

Agora é rezar e comprar libras de vela, lamparina ou uma poronga como a florestania gosta de chamar.

A qualquer momento o Acre pode mais uma vez ficar sem energia , a alimentação ficará escassa , sendo que como no Acre o governo só se preocupa com artesanato e ensinar mulheres a enfiar linha de nylon em sementes da floresta e o pouco que ainda era produzido -agricultura de subsistência- aqui não vai mais poder ser feito. Tudo vem de fora.

Pra piorar ainda mais a situação , uma portaria baixada no mês passado, proíbe o uso de fogo , deixou o pequeno produtor, que ainda abastecia os nossos mercados e feiras de mãos atadas... Lascou tudo.

Senhoras dona de casa... economizem gás ou vão ter de cozinhar á lenha. Com o Rio Acre abaixo do seu nível , até canoa está encalhando, imaginem balsa carregada com gás? Aqui não chega tá?

Ah... queimar carvão também não pooooode. É fogo e a tolerância é ZERO viu? Qualquer fumacinha a SEMEIA aplica multa.

Brincadeiras e mentiras sinceras à parte, nosso estado precisa urgentemente de ações políticas práticas. Homens que de fato amam o nosso estado e o nosso povo.

Esse papo manjado nas entrevistas “eu estou aqui muito feliz; me sinto muito gratificado; o Acre nunca viveu um momento tão bom” e tantas outras prosopopeias que divagam em seus discursos, servem apenas pra enganar besta, assessores , puxa-sacos e povo mal informado.

Comigo não cola...E tenho dito.

3 de set de 2009

LIBERDADE PARA A IMPRENSA

O Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Estado do Acre (Sinjac), através de seu advogado Jonanthan Santiago, recorreu nesta quinta feira /03/09 ao Conselho de Administração do Tribunal de Justiça do Acre contra a Portaria nº. 8 , publicada no Diário da Justiça Eletrônico, fl. 55, do dia 19 de agosto de 2009.

A portaria foi assinada pelo juiz Leandro Leri Gross, da Vara do Tribunal do Júri da Comarca de Rio Branco (AC), e institui graves restrições à atividade da imprensa nos julgamentos realizados no Fórum Barão do Rio Branco.

A ação do Sindicato foi protocolada no mesmo dia , no edifício sede da Administração do TJ/Acre, ao lado do Hotel Epílogo.

Caros leitores,
impedindo o acesso da imprensa a qualquer evento, julgamento seja lá o que for ... no mínimo existe maracutáia por trás. Não quero aqui defender bandido , inocente ou quem quer que seja, pois não tenho vocação para juiz e muito menos para padre. Covenhamos que ; quem acompanhou ou acompanha os acontecimentos no Acre , sabe muito bem que O CRIME DA MOTOSSERRA só foi elucidado graças a intervenção da imprensa . Muito dos relatos ,imagens , depoimentos e documentos por exemplo , requisitados pelos tribunais de justiça para as análises do caso, saíram das redações. Não deixar que a mídia mostre o JULGAMENTO e seu andamento, previsto para o próximo dia 21 corrente , é deixar a sociedade sem uma resposta FIEL do que ocorreu ou ainda ocorre por trás dos bastidores. O crime foi praticado em 1996. Um homem está preso desde então acusado pelo crime. Há especulações de que essa prisão tenha sido por moticação política . Cerrar os olhos da mídia ... é a mesma coisa que deixar a sociedade tão cega quanto a estátua que representa a mesma LEI que julgou a ação e que ultimamente só tem olhos para quem quer ver.

QUE A JUSTIÇA SEJA CEGA...

Observando os acontecimentos dos últimos dias e as ações da corte maior do estado, de como os poderes se protegem, na forma "um bate e outro assopra" vejo que hoje, a justiça brasileira passa por um retrocesso histórico, uma volta ao passado quando na existência do estado de natureza e a insensatez humana no mais exato sentido literal da palavra. A impressão que fica, é que as leis , ao contrário da venda que cerra os olhos da "estátua representada" , só enxerga quem quer. A existência desse corporativismo mútuo entre os pares coloca o pobre, o povo que de fato trabalha e paga os impostos e servi-los, é a maquiagem perfeita para o funcionamento de um sistema demagogo que oprimi e engana a base de pão e circo no meio de um estado falido. Esse povo... Acaba servindo apenas como bode expiatório, massa de manobra e bucha de canhão nas mãos de homens que em nome da democracia tem como principal bandeira as vestes da ganância e da intolerância com os que os colocaram no domínio.
Relembrando os tempos da faculdade... De como a política , a ética e as leis eram discutidas , me vem a mente o genial Thomas Hobbes que em seu célebre livro LEVIATÃ, descreve com perfeição a criação dos princípios e fundamentos das leis , hoje fadadas ao esquecimento, essas tais que deveriam proteger de forma igualitária, sem distinção de raça, condição social ou cores partidárias e agremiações. Penso fosse vivo, Hobbes com certeza estaria com uma taça cheia de CICUTA na mão direita a ponto de se embriagar para a morte a ver no que se tornara a sua máxima obra.
Ou mesmo... como diria Ariano Suassuna em O Auto da Compadecida, "se Jesus soubesse da canalhice que isso tudo iria se transformar, á época teria sacudido aquela cruz das costas e teria fugido pra morrer em paz" Em nome de Deus ôh pátria amada Brasil!!! "Adoremos na estrela altaneira O mais belo e o melhor dos faróis" AMÉM!!!

Salomão Matos
salomao.matos@gmail.com

2 de set de 2009

MEDO

Violência... a simbiótica inércia letárgica do sistema

Nem mesmo no Aurélio "pai dos burros" a violência pode ser traduzida com exatidão e a inexplicável falta de segurança que tal indivíduo violentado sofre quando submetida a ela. É um misto sentimento de impotência e raiva, que a cada dia se evidencia com maior grau no estado do Acre.Antes no estado , tínhamos o crime organizado . Hoje qualquer pé de chinelo vendo a insuportável falta de estrutura e a desorganização total das polícias se acha no direito de perturbar a vida pacata do cidadão comum , pais e mães de família.

Não falo aqui apenas de pontos causais de violência. Ela está por toda parte ; na igreja , na rua, no trabalho , na escola ou até mesmo quando se esta dormindo em casa, depois de uma longo dia de trabalho e é surpreendido no meio da noite sob a mira de um ferro frio , de forma cilíndrica e na outra extremidade alguém que segura o objeto dizendo _ Passa grana ! Sua vida ou a de seus filhos já era!!!

Em meio a tanta desordem que a mídia oficial teima maquear , estratégias que nunca saem do papel, e de que a culpa está no consumo excessivo de álcool como a tal lei seca publicada em diário oficial sem o efeito prático de fiscalização, de nada adianta.

"Se por baixo não tem jeito, vamos atacar a violência por cima" dizem eles com a aquisição de um helicóptero que Deus ajude estar errado , servirá para o transporte de políticos e apadrinhados para as suas bases eleitorais no interior do estado ou na pior das hipóteses, a baixo custo , sendo que aluguel de Iate custa caro, utilizado para expedições pelas bacias dos nossos rios até o Amazonas.

A diferença será que não vai dar pra fazer churrasco, dançar forró e nem dar cangapé em rio.Brincadeiras e mentiras sinceras à parte, o certo é que a população quer uma resposta rápida e eficiente dos setores da segurança no Acre .

Hoje em dia , escrivão no Acre sequer sabe mais usar uma caneta ou bloco de papel para anotar uma ocorrência. Se o sistema está fora do ar , o bandido é quem diz amém , enquanto o cidadão que sofreu a violência, a cada dia sente-se mais humilhado e inseguro , sem saber o que fazer ou a quem recorrer volta para casa esperar novamente mais uma vez pela visita inóspita de seu algoz.

Não é preciso ser nenhum sociólogo para saber que essa crescente, advém de promessas políticas vazias e apenas eleitoreiras jamais cumpridas. A doze anos atrás por exemplo, fora prometido gerar quarenta mil empregos em quatro anos o que não foi feito até hoje. A constatação pode ser observada nos números da própria Delegacia Regional do Trabalho no Acre que não diferem muito das filas de pedido de seguro desemprego junto a Caixa Econômica Federal.

No meu estado, a violência até já pode ser chamada de Samba do Crioulo Doido onde ha três categorias no meio do salão; O primeiro formado de cidadãos comuns tentando fugir da moça feia -bandido- para não dançar literalmente. O segundo pelo turbilhão de desocupados de armas - pandeiro na mão- tocando a música "eu quero comer eu quero fumar" e o terceiro formado pela polícia e o estado que não sabem que ritmo estão ouvindo e ainda por cima pisoteando nos pés uns dos outros num descompasso vergonhoso e ao mesmo tempo aterrorizante para quem assiste a tudo isso e sem poder fazer nada.

Salomão Matos

salomão.matos @ gmail.com
salmatos @ hotmail.com

1 de set de 2009

QUE ESCOLA ?

Na atualidade, nos deparamos com a dura realidade de que a educação , ao contrário das utopias de Platão, nada mais passa de mero instrumentos e manter os que estão no poder, os que já dominam.
Paralelo aos moldes positivistas, a escola tem se tornado num modelo pedagógico que ao invés de investir para qualificar, transforma cidadãos em máquinas obedientes ao sistema para que não os questione sobre o certo ou o que está errado.

Na contramão do progresso e de uma educação digna para todos, nos vemos á frente de um longo túnel, cada vez mais longo e obscuro, à margem das transformações e do progresso humano, no sentido literal da palavra.

Este processo gradual e constante , métodos de aprendizagem nada convincentes, advêm da ganância, onde a vergonha de quem administra o estado e as suas diretrizes já não significam mais nada e o não fazer nada para quem está a frente dessas pseudo modificações , se tornou sinônimo de se manter no domínio e perpetuar ás suas espécie.

Se analisarmos profundamente e de como o sistema educacional hoje é cuidado, peguemos por base ; declarações feitas a 2 anos atrás da atual responsável pelo nosso departamento de ensino estadual a Sra. Maria Corrêa, durante discurso na ágora do legislativo do Acre, abordando o sucesso e os avanços da educação e de como toda essa "educação" caminha a passos de ganso" em todos os parâmetros. De lá para cá nada mudou .

De posse de dados, digo duvidosos , pelo desempenho dos nossos jovens nas escolas públicas de ensino superior, quando menos de 10% adentram pela porta da frente , sem precisar dos sistemas de cotas, raça ou cor ou que os defina como gente capaz , a secretária discorreu num discurso afinado, para uma platéia de deputados da situação, um grupo de funcionários da sua secrretaria que mais parecia uma filarmônica em coro de palmas e ainda um punhado de outros deputados de oposição que sem preparo e mau assessorados, não sabiam por fim que questionamentos fazer à secretária , no sentido de que os fatos reais da nossa vergonhosa qualidade de ensino e os parcos investimentos feitos fossem postos, no linguajar popular, em pratos limpos. Ainda sobre os holofotes da "imprensa marrom" tudo foi registrado e é que o fica valendo para o restante da sociedade.

Numa reflexão simples, podemos afirmar matematicamente que hoje, o estado se importa mais com um prisioneiro que um aluno em sala de aula. Peguemos por base o custo de um presidiário e o que sai dos cofres públicos para alimentá-lo e o que sai do mesmo cofre, as somas para custear uma educação de qualidade para os nossos estudantes.

Um prisioneiro em nosso sistema penitenciário hoje, custa aos cofres do estado mensalmente R$ 900 reais. O que equivale a soma de R$ 10.800 reais por ano. Numa escola estadual de ensino fundamental, caso da Escola Senador Adalberto Sena, localizada no Conjunto Tucumã, conta hoje com 743 alunos. Essa escola durante seu levantamento de prestação de contas, contabilizou investimentos feitos tanto governo estadual e federal em 2006 na ordem de R$ 21.000 reais para custear anualmente os seus, repito , 743 alunos.

Não é difícil deduzir; que se um preso custa aos cofres públicos R$ 10.800 reais, apenas dois desses presos, daria para suprir a soma total e as necessidades dos 743 alunos daquela escola .

Em seu último levantamento de pesquisa de 2007 , a Fundação Getúlio Vargas , aponta o estado do Acre , ao contrário dos números fictícios apresentados pela secretária de Educação Estadual Maria Corrêa aos nossos nobres deputados, é o estado que menos investe no aprendizado do aluno e de sua permanência na escola.

Por base nos números acima, adquiridos na própria escola pela diretoria e no sistema penitenciário do estado do Acre, através da sua secretaria de segurança pública e o mais recente na FGV, resta-nos refletir e fazer uma simples pergunta:

Se mais vale para o estado, deixar de investir em educação para transformar nossas crianças em futuros bons cidadãos ou em mentes vazias e na pior das hipóteses em prisioneiros?