31 de mar de 2011

Abaixo minha opinião

Coronel da PMAC diz que jornalistas acrianos não são preparados para conflitos

Sobre proibição da imprensa ele disse que “a intenção foi a de protegê-los.
O sub-comandante da Policia Militar do Acre, coronel Paulo César, que comandou ontem (30) a operação de despejo das famílias de sem teto, que haviam invadido as 259 casas do Conjunto Habitacional Ilson Ribeiro em Rio Branco, e impediu a entrada da imprensa para fazer o registro, disse na manhã desta quinta-feira, 31, em entrevista á Rádio Difusora Acreana, que “os jornalistas acreanos não estão preparados para situações de conflito. Nossa intenção foi a de protegê-los”, disse o coronel.
Questionado pelo jornalista Washington Aquino, em seu programa Gente em Debate, sobre situações bem mais críticas no estado do Rio de Janeiro, durante invasões de presídios em rebeliões, quando a imprensa tem livre acesso, o coronel afirmou que “os jornalistas da Rede Globo e da grande imprensa, recebem treinamentos específicos para situações de conflito, são preparados e usam coletes a prova de balas identificados. Por isso decidimos limitar o acesso da imprensa do Acre durante o evento de desejo ontem”, explicou.
Opinião do editor desde blog:
Eu estava lá. Porque então o Coronel não explica o que faziam os assessores de comunicação do governo, jornalista Andréia Zillo e o André Camai além de uma dezena de asssistentes sociais, todos sem coletes na área de conflito? Simples a resposta. Todos são da mesma palma de banana do governo petista e jamais abrirão a boca para comentar a truculencia cometida durante o despejo. Cerraram os olhos da imprensa livre. Isso é ou não é uma Ditadura?
Salomão Matos 

Inferno astral

UFAC deve pagar R$ 10 milhões por danos morais no Vestibular 2011 diz MPF
Olinda Batista (Reitora da UFAC)
207 alunos sofreram constrangimentos não apenas no dia das provas 
O Ministério Público Federal no Acre (MPF/AC) entrou com ação civil pública (acp) junto à seção acreana da Justiça Federal pedindo o pagamento de indenização por danos morais impostos aos 207 alunos impedidos de maneira arbitrária e ilegal de fazerem provas do Vestibular da Universidade Federal do Acre (Ufac) por apresentarem data de validade vencida em suas carteiras de identidade. 
O MPF/AC pede R$ 10,2 milhões de indenização, sendo esse montante dividido em indenização individual de R$ 40 mil para cada candidato, e R$ 2 milhões a serem destinados ao fundo previsto pela Lei n. 7.347/85, que trata da destinação de verbas de condenação por danos a interesses coletivos ou difusos. 
A acp, de responsabilidade do procurador regional dos direitos do cidadão, Ricardo Gralha Massia, narra a saga de mais de mais de três meses de angústias vivida pelos alunos, que apenas iniciou-se no dia das provas, quando muitos foram retirados de maneira abrupta das salas onde já se encontravam para fazer provas, e outros impedidos de entrar, inclusive com eventos de uso de força policial e condução de pais de alunos à delegacia da polícia federal. 
Segundo a ação, os momentos de constrangimento a que os estudantes foram submetidos ao tentar, de maneira legítima, concorrer a uma vaga em uma instituição pública de ensino superior podem ser somados ainda aos dissabores das idas e vindas causadas pelas declarações públicas da Universidade e de outras autoridades que se comprometeram pessoalmente a realizar novo vestibular, tendo mudado de idéia e de posicionamento poucos dias depois, inclusive voltando a se pronunciar publicamente e afirmando que os estudantes deveriam procurar seus direitos, já que não teriam tido cuidado ao ler o Edital. 
Além do pedido de indenização, o procurador também encaminhou os autos desta ação e do recurso que foi impetrado junto ao TRF1 para os membros do MPF que atuam na defesa do patrimônio público para que estes avaliem se houve neste caso algum indício de improbidade administrativa.

Fonte: MPF/AC


Tráfico de drogas

Mulher é presa em Sena Madureira-AC com 15 tabletes de maconha na vagina tentando entrar em presídio

Durante a revista, os agentes penitenciários do Presídio de Recuperação Social Evaristo de Moraes , em Sena Madureira-AC, [cidade distante 154 quilômetros da capital], prenderam em flagrante na tarde de ontem (30), a jovem Jamile Valdi de 19 anos, que portava na vagina, 15 tabletes de maconha além de trouxinhas de pasta a base de cocaína.

Segundo informações, Jamile flagranteada, foi levada ao hospital da cidade, mas no caminho, resolveu admitir o crime de tráfico e ela própria fez a retirada da droga do seu corpo.

Jamile, foi ouvida pelo delegado Antonio Alceste e depois conduzida ao presídio local, onde deve responder pelo ilícito.

Salomão Matos com informações da Rádio Difusora Acreana

Estado nega volência em invasão

Governo do Acre nega uso da violência contra invasores

Criança foi atingida com balas de borracha
Na versão oficial do governo do estado, em relação o despejo das famílias sem teto que ocuparam as 295 casas do Conjunto Habitacional Ilson Ribeiro, no bairro Calafate, em Rio Branco-Ac, não houve feridos durante o conflito, muito embora admita o uso da força com balas de borracha contra os invasores.
“Os manifestantes jogaram paus, pedaços de tijolo e pedras na polícia e partiram para o ataque. A polícia reagiu com balas de borracha para dispersar os manifestantes, mas nenhuma delas atingiu qualquer invasor”, garante o sub comandante da PMAC, coronel Paulo César.
Muito embora as imagens feitas pelos jornalistas impedidos de fazer o registro, a revelia da PM, mostrarem crianças e mulheres grávidas com lesões pelo corpo, a versão oficial foi mantida e que tudo transcorreu na mais absoluta tranqüilidade.
O próprio secretário de justiça e direitos humanos Henrique Corinto, que acompanhou a reintegração de perto, em nenhum momento houve o uso da violência. Mas uma mulher grávida de sete meses, afirma ter sido pisoteada após ter sido jogada no chão pelos PMs e que temia ter perdido o seu bebê. Duas crianças [uma de cinco e outra de três anos], apresentavam hematomas no corpo causado por balas de borracha.
Até o momento, nenhum comunicado oficial dos Ministério Público Estadual e Federal foi emitido, no sentido de investigar se houve abusos por parte dos policiais durante a reintegração das 295 casas ao governo. Confira íntegra da versão oficial do Governo do estado do Acre: http://www.agencia.ac.gov.br/index.php?option=com_content&task=view&id=15236&Itemid=26
Salomão Matos 

30 de mar de 2011

A ditadura está viva no Acre

Minha solidariedade ás famílias de sem teto vítimas esta manhã de quarta-feira (30), pela truculenta ação da PM  em nome da "Democracia" no Acre


Relembrando a ditadura

Estado usa a força policial contra famílias de sem teto no Acre
Sem teto mostra balas usadas pela PM

Cumprindo determinação judicial, os oficiais de justiça, acompanhados de aproximadamente 500 homens das Polícia Militar, do Batalhão de Operações Policiais-BOP,  Corpo de Bombeiro e até mesmo o uso do helicóptero da Secretaria de Segurança Pública, foi feito na manhã desta quarta-feira, 30, a reintegração das 295 casas do Conjunto Habitacional ao governo do estado, que haviam sido ocupadas por famílias sem teto desde o último sábado.
Mãe mostra onde balas atingiram o filho
A princípio, os policiais tentaram o diálogo com os invesores, que resistiram usando as crianças como escuro humano e houve enfrentamento com os PMs.

Providos de escudos, cassetetes, pistolas e armas de groso calibre, os policiais revidaram atirando bombas de efeito moral e balas de borracha.

Na confusão, duas crianças, uma de cinco e très anos foram atingidas nas costas e braço pelas balas de borracha e alguns invasores, contam que foram espancados mostrando cortes nos braços, pernas e cabeça.

Aparentando sentir muitas dores, a invasora Jainá da Costa Paulino, que está grávida de sete meses, contou que foi empurrada pelos policiais contra o chão, sendo em seguida pisoteada e teme ter perdido o seu bebê.

O Secretário de Justiça e Direitos Humanos, Herique Corinto, que assistiu a tudo, questionado pela reportagem se havia mesmo a necesidade do uso da força policial que agiu com truculencia, se limitou a dizer que tudo aquilo era normal e que não sabia se as versões dos invasores eram verdadeiras.

Para Corinto, “nós estamos acompanhando a reintegração de perto e tudo está dentro da mais absoluta tranquilidade. Eu não tenho conhecimento de ninguêm ferido”, disse ao ac24horas e a outros jornalistas presentes na confusão.

Para evitar que os jornalistas entassem na área invadida para filmar e colher outros depoimentos dos invasores, foi montado um cordão humanos de policiais e ameaçaram inclusive prender e tomar os equipamentos dos profissionais da imprensa, como nos contou o repórter Ivan de Carvalho. “Lá dentro das casas há mais pessoas feridas por isso não nos deixam entrar. Ameaçaram me prender e tomar meu equipamento de trabalho caso eu insistisse em furar o bloqueio dos PMs”, lamentava.

Outro jornalista que ficou chocado com o que viu, foi o repórter da TV Gazeta Gerson Rondon. Ele conta, que em seus mais de 20 anos de profissão, “eu jamais vi tamanho aparado policial para retirar um punhado de pessoas pobres que só desejam um teto para morar. Essa ação truculenta me fez lembrar o golpe militar de 31 de março de 1964 da ditadura militar. O que aconteceu aqui foi um absurdo”, disse ele.

Ouvido, o secretário de Desenvolvimento Social, Antonio Torres, disse que a reintegração foi necessária porque as casas em questão, são para famílias já cadastradas nos programas sociais do governo e “muitos dos invasores aqui, só invadiram as casas para especulação fundiária e imobiliária” disse.

A reintegração, que teve início as 7h esta manhã, só foi concluída por volta das 11h, mas um efetivo de policiais vai pemanecer na área até que tudo volte ao nornal.

Um grupo de 30 assistentes sociais, fizeram o cadastro das famílias invasoras para que sejam no futuro, mediante levantamento social, parte dos programas habtacionais do governo.

Salomão Matos, direto do Conjunto Habitacional Ilson Ribeiro no bairro Calafate em Rio Branco no Acre.

29 de mar de 2011

A ficha ainda não caiu

Ao invés de ZPE porque não ZPI?
Produção industrial no Acre é....
Sinceramente, ainda não me caiu a ficha sobre o pleno funcionamento da Zona de Processamento de Exportação (ZPE), localizada na BR-317, na cidade de Senador Guiomard, “em poucas semanas”, como vem garantindo o governador Tião Viana, se no Acre, só temos carne de boi e a madeira das nossas florestas para exportar.

Sequer produzimos farinha de mandioca suficiente para a demanda local da população e até o milho que vai alimentar os três mil pintos que o governador doou na semana passada á produtores familiares no Jordão-AC, vem de fora.

A ZPE, que poderia muito bem ser chamada de Zona de Processamento de Importação- ZPI, foi criada a meu ver, como mais um dos famigerado investimentos tais como o Bio-Combustível da pimenta longa, a Usina da Álcool Verde, e os tantos outros anúncios fictícios como os da prospecção de petróleo no estado, como sendo a redenção econômica local..

Já que importamos tudo, não me admira se Tião Viana, trazer de Rondônia,  os tijolos para colocar em prática o seu mais ambicioso projeto de calçar todas as ruas do estado. Barro nós temos, mas se até outro dia os donos de Olarias reclamavam dos embargos ambientais para explorar a matéria prima, alegando falência do setor. Resta saber onde vai ser o buraco que vão cavar desta vez.

Salomão Matos


Tudo em família

TSE recebe recurso semelhante ao que pede a cassação dos diplomas de Jorge e Tião Viana, ambos do PT/AC

Um recurso semelhante ao que pede pela cassação dos diplomas do governador Tião Viana (PT/AC) e de seu irmão, Senado Jorge Viana (PT/AC), impetrado pelo Ministério Público Estadual no Acre, por eles terem utilizados veiculos de comunicação em favor de suas candidaturas na eleição passada, foi recebido nesta terça-feira 29, pelo Tribunal Superior Eleitoral-TSE.

Na cusação do MPF, comprova fatos por meio do uso indevido do sistema público de comunicação para privilegiar os candidatos da chapa majoritária da coligação Frente Popular do Acre, além da divulgação de pesquisas sem registro e direcionamento da linha editorial de vários veículos. Estes veículos inclusive diz o MPF, fazem parte de grupos empresariais que também mantém contratos com a administração pública, gerida atualmente pelo mesmo grupo político dos candidatos eleitos pela coligação. Confira: http://agencia.tse.gov.br/sadAdmAgencia/noticiaSearch.do?acao=get&id=1365513
Salomão Matos com informações do TSE





Tabatinga pura

Taxistas bloqueiam BR 364 em Manoel Urbano-AC

 

Um grupo de taxistas interditaram na manhã desta terça-feira, 29, a BR 364, na altura do quilômetro 72 nas proximidades do município de Manoel Urbano-AC próximo de Sena Madureira.

 

O protesto segundo os manifestantes é contra as péssimas codições de um trecho de aproximadamente 8 quilômetros e toda vez que chove fica intrafegável.

 

Ao menos 15 policiais militares estão no local para garantir a segurança das pessoas já que a manifestação é pacífica. Os taxistas afirmam que só vão desbloquear a rodovia, mediante a garantia do Departamento de Estradas e Rodagens-Deracre, colocar uma máquina para guinchar os veículos no techo mais crítico.

 

O diretor do Deracre Marcus Alexandre, disse ainda a pouco, que uma equipe técnica irá até o local negociar com os manifestantes e garantiu que as reinvidicações serão atendidas e que até o final da tarde de hoje, espera chegar a um acordo e liberar a BR.

 

Salomão Matos com informações da Rádio Difusora Acreana

 

 



Improbidade administrativa

MPF/AC denuncia ex prefeito de Marechal Thaumaturgo por desvio
Empreiteiro também foi denunciado por fraude na execução de projeto
O Ministério Público Federal no Acre (MPF/AC) ingressou com uma ação penal e uma ação de improbidade administrativa contra o ex-prefeito do município de Marechal Thaumaturgo, Itamar Pereira de Sá e o empresário Antônio da Costa Assis, representante da empresa América Ind. e Com. Ltda. Os fatos que motivaram a ação foram o desvio de R$ 64,7 mil de verbas públicas oriundas de convênio com o Ministério da Integração Nacional para a pavimentação de ruas naquela cidade, distante cerca de 600km de Rio Branco, capital do Acre.
O convênio original era para a construção de uma ponte e pavimentação de duas ruas, que deveriam dispor de duas pistas e canteiro central, porém a vistoria do órgão concedente do convênio, o Ministério da Integração Nacional, detectou fraude na parte que se refere à pavimentação das ruas, que foram pavimentadas com apenas uma pista e sem o canteiro central. A análise documental comprovou que o então prefeito Itamar de Sá pagou totalmente a obra, como se tivesse sido executado o projeto inicial.
Os valores atualizados do desvio chegam a R$ 164 mil, e caso os acusados sejam condenados este valor deverá ser devolvido. Além disso os acusados também podem pagar multa civil equivalente ao dobro do dano, ou seja, R$ 329 mil. Pela improbidade administrativa também pode haver a suspensão dos direitos políticos por até oito anos, além da proibição de contratar com o Poder Público ou receber créditos pelo prazo de cinco anos.
Pela ação penal, que pede o enquadramento dos acusados em crime de responsabilidade previsto no  Decreto-Lei 201/67, pode ser aplicada pena de detenção de até 12 anos, além de haver perda de cargo ou função pública, eletiva ou de nomeação, sem prejuízo da reparação do dano ao erário.
Fonte: MPF/AC


Enchente

Cheia do rio Juruá continua desabrigando famílias em Cruzeiro do Sul-AC

No município de Tarauacá-AC, o nível do rio baixou quase um metro de ontem para hoje e esta marcando 6.15m. 
O nível do rio Juruá, em Cruzeiro do Sul-AC, subiu ainda mais na manhã desta terça-feira, 29, e está medindo 13.42m, segundo o relatório diário da Defesa Civil Estadual. 
O número de desabrigados aumenta a cada momento e já são 42 as famílias abrigadas pela prefeitura. Além do ginásio de esportes, escolas e prédios públicos estão sendo transformados em abrigos improvisados. 
No município de Tarauacá-AC, o nível do rio que leva o mesmo nome da cidade, baixou quase um metro de ontem para hoje e esta marcando 6.15m. 
Em Sena Madureira-AC, o rio Iáco também baixou e mede esta manhã manhã 12.90m. 
Em Rio Branco, o nível do rio Acre está medindo somente 9.24m em sua calha mais profunda e é a pior marca dos últimos 30 anos para a época do ano.

Salomão Matos 

27 de mar de 2011

EU, condenado por falar a verdade no Acre

Justiça condena jornalista por denunciar a verdade no Acre

Dom, 27 de Março de 2011 09:05
O segundo juizado Civil da Comarca de Rio Branco, no Acre, condenou o jornalista Salomão Matos, ao pagamento de indenização por danos morais, por ele ter feito denúncias com base em inquéritos investigativo comprovados pelos Ministérios Público Estadual e Federal, contra o ex administrador do Lar Vicentino, Raimundo Borges de Melo.
raimundo_borges_inApós as denúncias feitas pelo jornalista, onde apontavam com fotografias o ex-administrador do Lar dos Vicentinos com cartões de benefícios dos idosos,  se apropriando do dinheiro das aposentadorias e ainda mostrando internos do abrigo mantidos em cárcere privado, o promotor dos direitos humanos do MP/Acre, Dr. Rogéio Voltorini, foi pessoalmente verificar as denúncias e constatando a veracidade dos fatos, e decidiu pelo afastamento do administrador do cargo.
Ainda na investida do MP, foram encontrados além de idosos mantidos presos em uma sala em situações análogas, foram encontrados ainda objetos como vestuário, de higiene cama, e panelas, fruto de doações que Raimundo Borges os vendia para lucro próprio.
A reportagem foi amplamente divulgada por todos os veículos de comunicação do estado, com base em releases enviados as redações pelo próprio MPE, assinado pelo promotor de justiça e dos direitos humanos.
Não satisfeito com o seu afastamento do cargo do Lar Vicentinos e sabendo que a descoberta de todas as suas “maracutaias” partiram da reportagem de Salomão Matos, Raimundo Borges ingressou com pedido de indenização por danos morais junto a Vara Civil de Rio Branco contra ele.
Para Salomão, que na audiência de instrução pediu ao juiz que fosse intimado em sua defesa como testemunha o próprio promotor de justiça Rogério Voltorini, esse disse jamais recebeu qualquer intimação para depor.
Ciente de que tudo o que disse na reportagem foram apenas com base em documentos dos Ministério Público Estadual e Federal, Salomão desconfia, que sua condenação, pode ser o início de uma descoberta de fraude, envolvendo funcionários do próprio poder judiciário, alegando o jornalista que “a filha do ex-administrador, identificada até o momento como Nízia, é escrivã do poder judiciário e pode ter sumido com documentos que o defendiam”, fazendo o magistrado assinar a sua sentença sem tomar conhecimento dos fatos como aconteceram.
Agora Salomão tem prazo de 15 dias para pagar a indenização a Raimundo Borges, e sem bens próprio e desempregado trabalhando apenas como frre lancer no jornal ac24horas, diz que pretende fazer greve de fome na porta do Tribunal de Justiça do Acre, para que a sua sentença seja revista, acreditando que o juiz que assinou a condenação foi tão enganado quanto ele.
Jairo Carioca - da redação de ac24horas