9 de out de 2009

MPE admite que apuração de denúncia no Lar dos Vicentinos foi superficial


Depois que ac24horas levou o conhecimento da sociedade, as denúncias de maus tratos, extorsão, trabalhos forçados e até abuso sexual dentro do único abrigo no Acre para idosos, os Ministérios Públicos Federal e Estadual manifestaram-se de maneira divergente sobre o caso.

De um lado, o MPF disse através da sua assessoria de comunicação, que já haviam recebido a denúncia dos próprios internos e familiares fazia três meses. Para averiguar o que de fato estava acontecendo na casa de caridade, foram enviados técnicos, que constataram o que a reportagem mostrou nesta manhã de quinta-feira [08/10] e muito mais. As autoridades do MPF no Acre encontraram idosos totalmente despidos pelos corredores e até na frente da casa, causando constrangimento para quem passava numa das maiores avenidas de Rio Branco – Nações Unidas -, onde o Lar Vicente de Paulo fica localizado . Outra constatação dos técnicos foi a de que os idosos usam uma mangueira totalmente sem higiene para tomar banho e não em banheiros apropriados para pessoas da terceira idade ou incapacitadas.

Constatado as denúncias, segundo ainda a assessoria MPF, a procuradoria da república chegou a conclusão de que o caso seria da competência do Ministério Público Estadual. E assim, no dia 7 de agosto deste ano o MPE foi informado, com recomendações de tomar medidas urgentes para acabar com o sofrimento e descasos constatados no abrigo.

Mas apesar da constatação dos técnicos do MPF, para a nossa surpresa, a Promotora de Justiça Cidadania e Saúde, Dra. Gilcely Evangelista, disse que “as denúncias feitas pelo interno Milton Pereira são infundadas”. Contudo, ela admitiu que “a falta de pessoal de apoio para apurar as muitas denúncias que chegam todos os dias, acabam atrapalhando uma investigação mais aprofundada dos casos, principalmente dessa gravidade”.

“Meu filho, aqui eu respondo por duas promotorias e como você mesmo pode ver, somente essa moça aqui ao meu lado – a socióloga Gislene Sabóia - é quem vai fazer as visitas quando as denúncias chegam”, disse a promotora tentando justificar porque o Ministério Público Estadual não sugeriu mudanças e nem achou culpados para as denúncias.

Ainda muito surpresa com a reportagem publicada em ac24horas, que flagrou por meio de fotografia dezenas de cartões de benefícios e de aposentadorias dos idosos sobre a mesa do administrador Raimundo Borges, a promotora disse que vai pedir a abertura de um inquérito policial imediatamente para investigar o caso e se constatado que o administrador não possui o que a lei chama de CURATELA [um instituto que visa a proteção da pessoa e o regimento ou administração de seus bens], o administrador será preso e o abrigo passará por uma ação de interdição.

Mas apesar do posicionamento dos ministérios, a situação no Lar dos Vicentinos de Rio Branco continua a mesma, ou talvez pior, pois durante a visita de nossa reportagem ao abrigo, na quarta-feira, 7, por várias vezes o administrador insinuou punir quem informou a imprensa sobre os desmandos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário