30 de abr de 2011

Cronologia do descaso: "A saúde de 1º mundo no Acre"

Nada mudou: pessoas continuam dormindo na fila por atendimento médico no Acre

Sex, 29 de Abril de 2011 10:55
Quem precisa de atendimento na área de saúde do Acre ainda é preciso montar acampamento e passar a noite do lado de fora das Unidades de Pronto Atendimento, se quiser conseguir uma ficha no dia seguinte.


A saúde não é de primeiro mundo, como costuma afirmar o ex-governador Jorge Viana. Na UPA Tucumã, por exemplo, as portas da unidade se fecham exatamente às 22h e mesmo quem está sendo atendido, seja qual for a enfermidade, é mandado de volta para casa.
Foi o caso do senhor Antonio Feitosa Rorigues, de 47 anos. Com fortes dores na coluna, afirma que sequer foi olhado no rosto pelo médico,  que alegou ter cumprido a sua jornada diária.
A senhora Edilene da Silva Farias foi uma das que resolveu acampar com os filhos na frente da UPA  Tucumã, pois segundo conta, faz quatro dias que busca atendimento médico mas nunca sobram fichas para ela fazer umdiagnosticos por um profissional da área da área de saúde.

Para ela, “é humilhante mesmo como vocês podem ver . O mais revoltante é você abrir os canais de televisão e o governador Tião Viana vir dizer que a saúde do Acre melhorou. Onde? Só se foi para ele, porque para nós, que somos pobres é essa situação aqui”, lamentava.
Do lado de dentro da UPA e com as portas trancadas, dois guardas de uma empresa de segurança.
Sem querer se identificar e se mostrando constrangido com a situação, o vigilante afirma “dá pena ver essas pessoas ai dormindo do lado de fora. Toda noite é assim. Pior mesmo é quando chove. Molha tudo e é aquela correria para poderem se proteger. Infelizmente a nossa ordem é não deixar ninguém entrar”.

A resposta da Gerente da UPA Tucumã
Na manhã de sexta-feira (29), a reportagem conseguiu falar, por telefone, com a Gerente Administrativa da UPA Tucumã, Ferlene Feitosa, que por sua vez, afirmou  “não existir ninguém acampando na unidade de saúde, para receber atendimento médico e eu posso garantir. Quanto ao senhor Arnóbio que vocês dizem termos mandado embora para casa sem ser atendido vamos investigar esse caso”, afirmou. Depois de ter tomado conhecimento das fotos feitas pela reportagem, a diretora encaminho o seguinte e-mail ao repórter Salomão Matos: 

Sr. Salomão,
A Imprensa precisa saber a especificidade desta Unidade. O Tucumã é uma Unidade com dois serviços de saúde e diferentes complexidades, ou seja, A UPA presta serviços de urgência e emergência e a Policlínica presta serviços ambulatoriais docente -assitenciais, mediante agendamentos, aos quais o número de vagas é de acordo com o número de profissionais. Portanto nem sempre estas vagas são compatíveis com a necessidade da população e as fotos em questão são características das individualidades( vide: ingressos para shows, esperas para vagas em escolas públicas , inscrições em concursos públicos).
Queremos esclarecer que vincular as fotos à UPA é informar para a população de forma equivocada que para receber atendimento de urgência e emergência é necessário conseguir ficha, o que não é verdade. Caso a queixa seja odontológica de emergência os pacientes devem procurar a UPA do 2º Distrito, já que a Odontologia dedta Policlínica, que não é vínculada à UPA, oferece apenas serviços eletivos.
Estamos a disposição para quaisquer outros esclarecimentos que julguem necessários.

Agradecemos desde já.

Márcia Aurélia Pinto
Gerente de Assistência à Saúde 


As fotos mostram quem fala a verdade.
Fotos e texto: Salomão Matos - da redação de ac24horas
salomao.matos@gmail.com
Rio Branco- Acre

Paciente é expulso da UPA e morre em casa

Dom, 01 de Maio de 2011 21:13

O trabalhador Antonio Feitosa Rodrigues de 47, morreu aparentemente de complicações cardíacas em casa, depois de ser expulso, segundo a família, da Unidade de Pronto Atendimento - UPA Tucumã. 
O alerta foi feito pela família à reportagem do ac24horas, fomos testemunhas de que Antonio havia sido mandado embora para casa, porque simplesmente o horário [22h], de expediente médico da UPA Tucumã havia terminado.

Segundo conta o filho dele, “meu pai estava tomando soro e sentindo fortes dores pelo corpo inteiro e reclamando bastante. Quando deu exatamente 22h, eles tiraram o soro do braço dele na marra e o mandaram ir embora para casa. Eu fiquei sem saber o que fazer” relata.

Revoltado e vendo o pai num caixão,  Biscoito como é mais conhecido no bairro, afirma vai entrar com uma representação no Ministério Público Estadual, pedindo reparação pelo descaso da saúde no estado.

Para ele “como é que pode alguém estar sendo medicado, com soro no braço e de hora para outra  a enfermeira chega e diz que a medicação está suspensa porque a jornada de trabalho dela acabou? Ela disse que meu pai poderia esperar. Foi isso que disseram. Isso é um absurdo”, lamentava.

A nossa reportagem tentou falar com a direção da UPA Tucumã e com a própria secretária estadual de saúde Suely Melo, pelo telefone 9985 16**., mas infelizmente não obtivemos êxito.

Salomão Matos- da redação de ac24horas
salomao.matos@gmail.com
Rio Branco,Acre



Nenhum comentário:

Postar um comentário