11 de abr de 2011

Polícia Federal pede varredura em conta bancária do PT

Polícia recomenda que Procuradoria acesse dados cadastrais do BC para identificar destino de verba do mensalão.
A Polícia Federal pediu à Procuradoria-Geral da República que vasculhe a conta bancária do PT e identifique pessoas que receberam parte do dinheiro do mensalão.

O relatório final do inquérito sobre a origem dos recursos do esquema afirma que continuam desconhecidos os beneficiários de 59 pagamentos, em um total de R$ 2,3 milhões (valores da época).

As retiradas foram feitas entre fevereiro e julho de 2003 da conta que o PT nacional tem na agência do Banco do Brasil, na avenida São João, em São Paulo.

A maior delas foi de R$ 500 mil por meio de um cheque compensado. Houve outras quatro compensações de cheques acima de R$ 100 mil.

"Deve a Procuradoria-Geral da República apreciar a necessidade e pertinência da realização das diligências [...] vez que alguns favorecidos não foram devidamente qualificados pelo Banco do Brasil", diz o relatório da PF, concluído em fevereiro.

O documento traz a planilha das contas-correntes dos beneficiados pelos repasses e sugere ao Ministério Público que acesse o sistema do Banco Central para identificar seus titulares.

A polícia lembra que o órgão não precisa de autorização da Justiça para realizar essa varredura, "por se tratar de dados cadastrais e não de movimentação financeira".

Os R$ 2,3 milhões têm como origem dois empréstimos contraídos pelo PT nos bancos Rural e BMG -canais usados para esquentar e movimentar o dinheiro do mensalão, de acordo com o relatório da CPI dos Correios.

Um desses empréstimos, de R$ 3 milhões, foi firmado com o Banco Rural em maio de 2003. Teve como garantia um contrato assinado pela DNA Propaganda com o Banco do Brasil em 2000.

A DNA tem como proprietário Marcos Valério, acusado de ser o principal operador do mensalão, junto com o ex-tesoureiro do PT, Delúbio Soares. São justamente eles os avalistas do empréstimo de R$ 3 milhões. O outro empréstimo, de R$ 2,3 milhões, foi tomado do BMG em fevereiro de 2003.

Também teve como avalistas Marcos Valério e Delúbio, segundo a CPI dos Correios.

Esta é a segunda vez que a PF aciona a Procuradoria-Geral da República para tentar vasculhar a conta do PT.

Em 2006, os investigadores propuseram uma "perícia contábil-financeira" nas contas e declarações fiscais da Executiva Nacional do partido. A Procuradoria-Geral negou o pedido alegando que era "genérico".

Fonte: Uol

Nenhum comentário:

Postar um comentário